Como um avarento guarda seu tesouro,Eu mantive minha dor;Eu queria provar que existe algo eterno ao qual ele eternamente jurou seu amor por mim.

“Como um avarento guarda seu tesouro,
Eu mantive minha dor;
Eu queria provar que existe algo eterno
ao qual ele eternamente jurou seu amor por mim.

Mas hoje ligo para ele em vão e ouço, na hora
que acabou, diga:
Ah, lama miserável, eternamente
você nem vai poder sofrer!”Gustavo Adolfo Bécquer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.